segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

O IMPÉRIO DA MEDIOCRIDADE - Pb FRANCISCO JR

 “O contato com a mediocridade gera mais mediocridade. Os medíocres têm medo da literatura, dos clássicos e da leitura. Têm medo do esforço, do trabalho - e da história. Acham que a escola serve para paparicar a banalidade que os miúdos levam da rua e da televisão. Eles são um perigo que anda à solta, espalhando mais mediocridade, impunemente.” (Francisco Viegas, Jornal de Notícias.)

O mal do século, segundo Richard Foster, não é o câncer, não é a AIDS, nem a Gripe H1N1, nem ainda a violência ou a corrupção, mas é a superficialidade. Um produto natural de uma época como esta é a mediocridade. Tanto a superficialidade como a mediocridade (irmãs gêmeas), não existem no vácuo, mas se expressam em pessoas. Todos nós temos, em algum momento da nossa vida, oportunidade (vergonhosa!) de expressar um “pouquinho” de mediocridade, mas tem pessoas que são absolutamente viciadas!

Esse vício, como produto do meio (e também como fomentador do meio) é assustador porque, entre outras coisas, ele é causador de outros vícios. Além disso, ele também cresce e se espalha como uma grande epidemia! Não há esfera da sociedade que não sofra de algum modo com esse mal. Mas não há lugar pior para esse vício maldito mostrar as suas garras do que na Igreja!
Os viciados em mediocridade na Igreja são amantes de si mesmo, amantes da teologia da prosperidade, caçadores dos caminhos fáceis, dos atalhos; fascinados pelos milagres, vivem enfiados nas “milagrolandias” da vida. As “milagrolandias” são igrejas sem compromisso com a Verdade, espalhafatosamente dirigidas por verdadeiros traficantes de “promessinhas”, que misturam linguajar e versos bíblicos em seus discursos entorpecentes, causando dependência mortal, e tirando daí o seu sustento!Quanto aos viciados, a pregação bíblica lhes causa crise de abstinência (do besteirol); a leitura, sobretudo da Bíblia, é para eles um martírio; a reflexão teológica, um pesadelo. Quando estão em suas “viagens” têm sensação de plenitude, e quando afinal espalmam as mãos para cima e dizem “amém”, voltam para casa com o ar de dever cumprido: “domingo tem mais!”-... Pobres viciados!

Os medíocres estão no poder
Nada mais natural para uma era de superficialidade intensa. Pois, se a mediocridade se espalha com essa velocidade alucinante é porque tem uma liderança medíocre por trás. Como disse A.W.Tozer, todo povo é, ou virá a ser, aquilo que seus líderes são.Logo, os viciados têm uma boa fonte de abastecimento. Como esses líderes são megalomaníacos, e os viciados em geral são fascinados pela “grandeza e o poder”, temos um sistema desgraçadamente auto-sustentável. Os líderes fingem se importar com as mazelas dos pobres seguidores. Alimentam as ilusões com milagres forjados, com palestras motivacionais (eu não ousaria chamá-las de pregação), mega-construções, mega-eventos, entretenimento à vontade, repletos de celebridades “gospel”, que servem como exemplos de vitória. E as massas pensam que um dia também vão andar de helicóptero, viajar pelo mundo, alcançar status social... Pobres viciados iludidos!

Alegram-se em fazer parte, mas na realidade não fazem. As decisões dos líderes medíocres são sempre unilaterais, privilegiando a superficialidade e desprezando quem de fato pode contribuir. Assim, ao longo do caminho, vão perdendo pessoas valorosas. Mas, porque se importar? Nunca faltarão bajuladores!
A Bíblia é tediosa nesse esquema, existe uma imitação bisonha de ensino e uma pseudo-preocupação com o conhecimento. Porém, é só olhar mais de perto para se perceber que tudo não passa de encenação. Não se incentiva os jovens a crescer no conhecimento, até porque os jovens logo questionarão. Melhor mantê-los ocupados com a “arte”. As crianças são tratadas como parte do espetáculo, o que de certa forma já as deixa bem encaminhadas no esquema. São engraçadinhas e risonhas, e dar uma encenada atenção a elas aumentará a popularidade e solidificará a perpetuação no poder. Se você acha que esse "maquiavelismo" é exagero, dê uma boa olhada à sua volta!
“Ainda há esperança”
Estes são alguns aspectos de uma realidade deprimente e desanimadora na Igreja Brasileira, mas continuamos crendo no poder transformador e restaurador do Evangelho. E é isso que nos dá esperança. Esperança não de que esse cenário vai mudar como um todo, mas de que a Igreja de Cristo é viva, e que o Senhor da Igreja dando a ela disposição para ser “coluna e esteio da verdade”, trará libertação a muitos!
Que o Senhor tenha misericórdia de nós!

sexta-feira, 6 de novembro de 2020

Onde Estás? Onde Está o Teu Irmão?

E chamou o SENHOR Deus ao homem e lhe perguntou: Onde estás?            

Gênesis 3.9

Disse o SENHOR a Caim: Onde está Abel, teu irmão? Ele respondeu: Não sei; acaso, sou eu tutor de meu irmão?                                                                                                      

Gênesis 4.9

São reveladoras e têm muito a nos ensinar estas duas perguntas de Deus Pai, o Soberano Senhor, a seus filhos, em momentos distintos, no início da história.  Desde o princípio da História Deus se revela, como Soberano Criador. Como estamos, em relação à nossa vida espiritual ("onde estás?" Gn.3.9), e em nossa relação/interação com o próximo ("onde está o teu irmão?" Gn.4.9) 

Meditemos sobre essas duas perguntas, e seus claros desdobramentos. Lembrando mais uma vez, que não por acaso, Deus nos deixa essas instruções já no início da história.

I - Onde Estás?

O Senhor, certamente, sabia onde Adão estava e por onde esteve andado, muito além do que um sentido físico/geográfico. Quando Deus fez a pergunta, certamente queria (e quer) ouvir, do homem uma confissão. Portanto, a pergunta perscrutadora, é dirigida também a nós, e visa nos fazer pensar sobre nós mesmos. Procurando sempre nos aprofundar no conhecimento, e seus desdobramentos, para que não vivamos uma  vida rasa e superficial. Pensemos então, à partir dessa pergunta, sobre nossa real condição espiritual? Nossas lutas? O quê representa tentação para nós, consequentemente onde ou em quê temos pecado? Com o quê estamos gastando nosso tempo? Em quê temos meditado? do quê temos nos alimentado? Ou ainda, o quê temos engolido? Assim como para Adão, essa pergunta mostra que os nossos olhos se abriram, e deveriam permanecer fechados, para muitas coisas. Para que continuássemos desfrutando as coisas boas dadas por Deus, com simplicidade.

Quando o Apóstolo Pedro quis saber além o que era necessário naquele momento, Nosso Senhor respondeu sucinta e diretamente “O que eu faço não o sabes agora; compreendê-lo-ás depois.” João.13.7  Entre outras coisas, a pergunta feita a Adão, e também a nós, tem o propósito de nos fazer pensar sobre quem deve ter a primazia em nossa vida.

Portanto, ela tem, uma boa relação com o grande Mandamento, ensinado por Nosso Senhor: Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todas as tuas forças e de todo o teu entendimento; e: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Lucas 10.27

 Então, a pergunta feita a Adão é reflexiva e requer confissão genuína, como quando Nosso Senhor mandou o Apóstolo João escrever para a Igreja em Éfeso:

Conheço as tuas obras, tanto o teu labor como a tua perseverança, e que não podes suportar homens maus, e que puseste à prova os que a si mesmos se declaram apóstolos e não são, e os achaste mentirosos;
e tens perseverança, e suportaste provas por causa do meu nome, e não te deixaste esmorecer.
Tenho, porém, contra ti que abandonaste o teu primeiro amor.
Lembra-te, pois, de onde caíste, arrepende-te e volta à prática das primeiras obras; e, se não, venho a ti e moverei do seu lugar o teu candeeiro, caso não te arrependas.
Tens, contudo, a teu favor que odeias as obras dos nicolaítas, as quais eu também odeio. Apocalipse 2.2-6

Onde podemos destacar pontos positivos, como:

  • ·       O trabalho (O teu labor).
  • ·       O esforço contínuo (perseverança).
  • ·       Firmeza nas convicções (não podes suportar homens maus).
  • ·       Tens perseverança, e suportaste provas por causa do meu nome.

Destacamos também, a exigência de confissão e arrependimento, como segue:

  •  ·       O reconhecimento da mudança de direção. (Abandonaste o teu primeiro amor)
  • ·       Necessidade de sincero arrependimento (Arrepende-te e volta à prática das primeiras obras.)

 Note que o Senhor teceu elogios àquela Igreja, mas não deixou de apontar suas falhas e exigir um retorno as primeiras práticas.

 

II - Onde Está o Teu Irmão?

O Nosso Deus, também quer que assumamos a responsabilidade de prestar contas uns dos outros. Onde estão teu irmão, teus filhos, tua esposa (o), teu amigo? Onde estão Física, emocional e espiritualmente falando. Note que o Senhor ao fazer a pergunta, também perscrutadora, a Caim esperava (e espera de nós) uma resposta sincera e também uma confissão. Notemos ainda, que a pergunta incisiva surge, exatamente, quando Caim se levanta contra seu irmão Abel. Quando a unidade foi quebrada, por motivo da inveja e pensamentos pecaminosos. A resposta ‘malcriada’ de Caim, e o 'silêncio de Deus' também nos ensina algo muito importante: ”Não sei; sou eu acaso tutor de meu irmão?” Gn.4.9. O juízo declarado por Deus na sequência deixa claro um sonoro SIM! Somos responsáveis um pelo outro!  Observemos que a mesma pergunta tempos depois, de certa forma, foi feita a José e a seus irmãos Gn.37ss. Os irmãos de José deram uma resposta, absolutamente diferente da deste. Podemos notar que responderam de uma forma muito parecida com Caim, embora com nuances diferentes, até pelo contexto. Eles se antecipam a pergunta com mentiras. Deus não quer que mintamos sobre os nossos, sobre nossas relações e sentimentos. José por sua vez teria motivos para responder da mesma forma que Caim, e não ser misericordioso para com seus irmãos. Mas, nos dá uma lição de como devemos responder o mal com o bem, como nosso Pai nos trata reiteradas vezes. 

Essa pergunta feita a Caim também nos remete ao Grande Mandamento, senão vejamos:

Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todas as tuas forças e de todo o teu entendimento; e: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Lucas 10.27

 Então, somos ensinados, em toda a Bíblia, o quanto essas perguntas devem permear o nosso caminhar, e como devemos viver como discípulos e servos do Altíssimo.

 Uma última leitura importante, para o momento, está nos Evangelhos. Aprendemos ali,  com o Senhor Jesus, qual deve ser nossa resposta a esta pergunta feita a Caim e a nós:

             Falava ainda Jesus ao povo, e eis que sua mãe e seus irmãos estavam do lado de fora, procurando falar-lhe. E alguém lhe disse: Tua mãe e teus irmãos estão lá fora e querem falar-te. Porém ele respondeu ao que lhe trouxera o aviso: Quem é minha mãe e quem são meus irmãos? E, estendendo a mão para os discípulos, disse: Eis minha mãe e meus irmãos. Porque qualquer que fizer a vontade de meu Pai celeste, esse é meu irmão, irmã e mãe. Mt.12.46-50

Sigamos ao Senhor, e façamos a vontade de Nosso Pai celeste.
Podemos falar com propriedade, lendo e meditando nestes textos do início da história, o Grande Mandamento ensinado por nosso Senhor, e em todo o restante das Escrituras, da importância de sermos vigilantes em todos os nossos passos nesta vida. Devemos sempre, dar a Primazia ao Senhor, em nossas vidas. Devemos também, atentar para a sublimidade de ajudar-nos uns aos outros. Com estas duas atitudes estaremos, conforme palavras de Nosso Senhor cumprindo toda a Lei e os Profetas.

Soli Deo Gloria

Francisco Jr

 

terça-feira, 3 de novembro de 2020

IDÉIAS e IDEAIS

"Socorro, SENHOR! Porque já não há homens piedosos; desaparecem os fiéis entre os filhos dos homens... por todos os lugares andam os perversos quando a vileza é exaltada entre os filhos dos homens" 

Salmo 12.1,8

"No mundo chamam isso de Tolerância, mas no inferno se chama Desespero ... o pecado que não acredita em nada, não se importa com nada, não busca saber nada, não interfere em nada, não desfruta de nada, não odeia nada, não encontra propósito em nada, vive para nada, e permanece vivo porque não há nada pelo que morreria." 

Dorothy Sayers

"Tem o coração contaminado de inveja aquele que facilmente censura a doutrina e as obras do próximo"

São João Clímaco, 525 - 606

"Concluir que as coisas que estão fora do meu alcance de conhecimento, discernimento ou experiência não são dignas de se conhecer é o máximo da arrogância."    

Michael Horton 

"Não tenhas demasiado respeito a quem diante de ti diz mal de seu próximo, antes lhe diga 'cala-te, irmão, porque, se não fazes o que este faz, pode ser que faça coisas piores, e que ele, porventura não fará. Pois, como o podes condenar?' E assim, com um só remédio, curarás a ti e também ao próximo"                                                  

São João Clímaco

"As “milagrolandias” são igrejas sem compromisso com a Verdade, espalhafatosamente dirigidas por verdadeiros traficantes de “promessinhas”, que misturam linguajar e versos bíblicos em seus discursos entorpecentes, causando dependência mortal, e tirando daí o seu sustento!"                                          

Francisco Jr

"Toda Verdade é a Verdade de Deus" 

Stº Agostinho

"Espiritualidade significa, entre outras coisas, levar-nos a sério. Significa nadar contra a correnteza cultural que nos relega o tempo todo à condição servil de gente que manda e gente que faz, despersonalizados atrás dos rótulos de nossos diplomas ou salários."

Eugene H. Peterson

"A Paz sempre que possível, mas a Verdade a qualquer preço"

Martinho Lutero

"Temos que acreditar, no mais profundo de nosso coração, que a maior crise não é política, moral ou cultural, mas espiritual, isto é, Teológica. E a causa é o silenciamento do anúncio cristão claro"

Michael Horton

"Conhecimento é obediência, e obediência é conhecimento"

John M. Frame

"O mal do século, não é o câncer, não é a AIDS, nem ainda o Covid-19 ou a Gripe H1N1, nem ainda a violência ou  a corrupção. Mas é a Superficialidade."

 Richard Foster

"O Evangelho é como um leão enjaulado, não precisamos defende-lo, só precisamos deixar que saia da jaula" 

C.H.Spurgeon

"Todo povo é, ou virá a ser, aquilo que seus líderes são." 

A.W.Tozer