segunda-feira, 26 de maio de 2014

Sua rede social é convertida ?

Vivemos hoje, creio que de forma irreversível, uma dependência quase patológica de redes sociais. Tem aqueles que ficam "on" o tempo inteiro. Atualizam suas paginas com tanta frequência, que parece até que têm um gigantesco "staff". São banners,  "memes", fotos bizarras, mensagenzinhas "água com açúcar", desenhos feitos com caracteres do teclado e avalanches de links de tirar o folego. Alguns supostamente mais piedosos colam "gifs" com frases e jargões "convertidos", mas com teologia pra lá de duvidosa. Tudo tem um ar de informação, diversão e relacionamento social, ainda que virtual.

Dessa dependência desenfreada das redes sociais surgem questões importantes para refletirmos:

Afinal, as redes sociais distanciam ou aproximam as pessoas ? 
Todas aquelas pessoas que você tem como amigo no facebook, por exemplo, são ou já foram seus amigos de verdade? Que tipo de relação pessoal você tem de fato com essas pessoas? As pessoas são muitas vezes capazes de fazer belas declarações de afeição e simpatia no meio virtual e quando as encontramos "ao vivo" parece que nunca nos vimos ou não nos conhecemos.
Hoje quase não há lugares em que pessoas estejam reunidas sem que algumas delas (as vezes a maioria) estejam concentradas em seus celulares ou tablets. Estão fisicamente juntas, mas ao mesmo tempo isoladas. Não estamos com isso querendo "demonizar" as novas tecnologias como se elas fossem culpadas pela superficialidade das pessoas. Mas demonstrar o quanto as novas tecnologias trouxeram novos costumes que talvez apenas potencializaram essa superficialidade.

Até que  ponto o que postamos nas redes sociais definem o que somos de verdade?
Muitas vezes o que mais se vê nas páginas pessoais é um incoerência alarmante. As redes sociais acabaram se tornando um grande confessionário virtual, não intencional, das nossas sandices e ignorância bíblica, da incongruência da nossa fé e da nossa negligencia para com as verdades sagradas. Note que eu disse "não intencional". Pois ninguém publica coisas pensando em se abrir e confessar o quanto é ignorante de Bíblia, ou o quanto é raso e desleixado. É não intencional sobretudo porque o que se posta faz-se com ar de sapiência extraordinária, de profundo conhecimento do que se está falando. Pensa-se estar prestando um relevante serviço ao Evangelho, mas só está contribuindo para espalhar ainda mais a confusão teológica e a mediocridade supostamente piedosa.

O tempo "plugado" é tempo ganho ou perdido?
Como dissemos no inicio, há pessoas que ficam o tempo todo conectados nas redes sociais. Esse talvez seja o maior perigo dessas redes, consumir um tempo precioso que poderia ser utilizado de uma forma equilibrada e muito mais frutífera. Estudos já demonstraram o impacto negativo do uso das redes sociais nos desempenhos estudantil e profissional. Agora devemos notar também esse impacto na relação com a igreja.
Um estudo recentemente publicado confirma o perigo de que muita gente já desconfiava, mas ao qual faltava fundamentação: o uso inadequado das redes sociais acompanha o declínio estatístico na frequência às igrejas. O cientista Allen Downey, da Olin College de Engenharia da Computação, em Massachussets (EUA), encontrou fortes indícios de que a queda na filiação religiosa tem ligações com o aumento do uso da internet e, particularmente, de ferramentas como Facebook e Twitter, que não só tomam tempo excessivo das pessoas como as expõem a uma série de informações, conceitos e comportamentos prejudiciais à fé cristã. (http://www.cristianismohoje.com.br/materias/especial/cresce-macicamente-o-uso-de-redes-sociais-pelos-crentes-mas-o-risco-de-heresias-preocupa) 
Como disse John Piper "as maiores utilidades do Twitter e do Facebook será provar no último dia que a falta de oração (e estudo bíblico) não foi por falta de tempo".
No livro de Hebreus está escrito que não é só o pecado em si que nos atrapalha correr "a carreira que nos está proposta".  O texto diz claramente que devemos nos desvencilhar de "todo o peso e do pecado que tenazmente nos assedia" (Hb.12.1), com isso o autor está dizendo que há coisas que não são pecados em si mesmo, mas são "um peso" que nos atrapalha na corrida. Podemos arrolar sem medo de errar que o tempo desperdiçado em redes sociais e internet é um desses vilões que atrapalham uma vida cristã mais frutífera em todos os sentidos.

Que Deus nos conceda a cada dia sabedoria para utilizar as novas tecnologias, as redes socias e tudo o mais de forma que glorifique o seu santo nome e dignifique o chamado que ele nos fez.

"Mantenhamos firme, sem vacilar  a confissão fé, pois quem fez a promessa é fiel" Hb.10.23

2 comentários:

  1. Paz irmão bom conselho o que mais vemos são pessoas dupla fonte http://prgenisvaldosantos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Paz irmão bom conselho o que mais vemos são pessoas dupla fonte http://prgenisvaldosantos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir