segunda-feira, 8 de junho de 2009

"EU JÁ SABIA"



Não há nada mais tedioso e previsível, do que as ladainhas em que se transformaram as pregações ultimamente (sempre há exceções, graças a Deus!).
Mas veja: É um tal de “eu não sei como você entrou aqui”.(não teria sido pela porta?!);
“Deus pode mudar a sua história hoje”. (daannnnn!);
“Não há nada impossível para Deus”. (oohhhh!)
“Deus pode resolver o seu problema”. (cadê a salva?)
“A sua vitória pode vir hoje” (ou amanhã, ou depois quem sabe?!)

Enfim, um tédio total. Nesse contexto é afronta dizer que “temos a mente de Cristo”.
A Bíblia (ah, a Bíblia!), nos convida a profundidade!
Portanto, “Temos que acreditar, no mais profundo do nosso coração, que a maior crise não é política, moral ou cultural, mas espiritual, isto é, teológica”. Concordo totalmente com essa frase de Michael Horton, que disse ainda com muita propriedade que: “no conflito entre o Espírito de Cristo e o espírito da era, igrejas perfeitamente íntegras podem perder seu vigor”. Estamos vivendo a era do Espírito ou o espírito da era?E o espírito da era se traduz nessa mensagem vaga, rasa, superficial, repetitiva, que precisa ser enxertada com tiradinhas engraçadas, frasesinhas de efeito, imagens no telão, fundo musical, ou quando se quer dar um ar mais austero - glórias, aleluias e rajadas inexprimíveis.
Quando vamos entender que não precisamos desses artifícios e que a Bíblia, somente a Bíblia (Sola Scriptura) é “inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, afim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra” (2Tm.3.16,17)?

Precisamos reencontrar o caminho das pregações relevantes...aquelas em Deus nos anuncia coisas firmes que não sabíamos (Jr.33.3), para que aposentemos o “eu já sabia” dos cultos !!
Àquele a quem pertence todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento seja a glória eternamente!!!

3 comentários:

  1. Penso que quanto menos criativa em termos de ideais e ideias a exposição da mensagem vai ficando, mais artifícios vão sendo necessários. Sinceramente, não vou estranhar se qualquer dia desses chegar à igreja e encontrar canhões de luz, fumaça e malabaristas. Lamentável... Mas muito boa a reflexão, professor. Forte abraço!

    ResponderExcluir
  2. Essa pregação do ridículo me faz concordar com um amigo filósofo que diz: "Eu não acredito que o homem veio do macaco; mas acredito que ele vai se tornar um!" Os micos de púlpito que o digam!
    Abraço, mestre.

    ResponderExcluir
  3. Roger...a ignorancia está entronizada entre os querubins...o pragmatismo tambem!!!infelizmente é gente muito rasa no comando!!
    abraço

    Alan...e haja micos hein, ali eles não estão em extinção, pelo contrário estão causando o desequilibrio da fauna!!rs
    Abraço

    ResponderExcluir